Carregando ...

Praça da Catedral, s/nº - Centro - CEP: 13400-150 - Piracicaba-SP

(19) 3422-8489
Artigos › 12/01/2017

Cordeiro de Deus

Os antigos judeus costumavam oferecer sacrifícios de animais para mostrar sua adoração, gratidão, petição do perdão dos pecados e outros favores a Deus. Estando para sair da escravidão do Egito, liderados por Moisés, por ordem divina sacrificaram cordeiros de um ano. Com o sangue dos mesmos, tingiam os umbrais das entradas das casas para que, à passagem do anjo exterminador, não morresse ninguém deles, ao contrário dos egípcios que não tinham esse sinal e tiveram mortos os filhos mais velhos.

No entanto, tais sacrifícios não tinham força, por si mesmos, de perdoarem pecados e sim de solicitar a ajuda divina, tentando agradar a Deus. Seu sacerdócio era como mediação de oração e culto. Jesus, no entanto, exerceu a mediação salvadora, ou seja, o sacrifício foi de si mesmo. Ele mesmo foi o cordeiro imolado em nome da humanidade toda e de todos os tempos. Por ser Ele o Filho natural de Deus, seu sacrifício foi de verdadeiro pontífice. Por isso mesmo, realizou a redenção ou salvação de todos os seres humanos.

João Batista, precursor de Jesus, declara, em relação a Ele: “Eis o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (João 1,29). De fato, Jesus tem o poder de tirar os pecados. Ele mesmo o atesta quando curou o paralítico, mostrando que tinha poder de perdoar e, da mesma forma, de fazer milagres (Cf. Lc 5,17-26).

Jesus quis dar a própria carne e seu sangue para nos alimentar. Mas o fez da forma miraculosa da Eucaristia. Com o poder divino Ele podia transformar o pão e o vinho em seu corpo e sangue, para termos real possibilidade de nos alimentarmos dele. Não é só símbolo. Ele mesmo disse: “É o meu corpo… fazei isto em memória de mim” (Lucas 22,19).

Na contemplação do sacrifício do Cordeiro de Deus somos levados à gratidão a Ele. Poderíamos oferecer a todos nós em sacrifício, mas não teríamos o efeito de alcançarmos a vida eterna. Uma só vez Jesus morrendo em sua natureza humana bastou para todos termos condição de salvação eterna. No entanto, para isso precisamos de nos colocar junto ao sacrifício do Cordeiro Divino. Nós o fazemos acompanhando seus passos e ensinamentos. Assim, implantaremos mais justiça nesta terra. Faremos a inclusão social de quem é deixado de lado. Seremos mais solidários com os que sofrem. Daremos de nós para melhorar o convívio social, a família, a política… Não nos omitiremos em promover a cidadania para todos, dentro da ética, da moral pessoal e social. Seremos pessoas corresponsáveis com o bem de todos.

Tendo a presença de Jesus o povo se acercava dele com grande esperança de resolver seus problemas. Com fé nele resolvemos, acima de tudo, nossos problemas de busca de sentido para a vida, a ponto de também nos sacrificarmos, a seu exemplo, para colaborarmos com a promoção da vida plena e de sentido para todos.

Por Dom José Alberto Moura – Arcebispo de Montes Claros (MG)

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.