Praça da Catedral, s/nº - Centro - CEP: 13400-150 - Piracicaba-SP

(19) 3422-8489
Artigos › 31/03/2020

Nós não temos controle de tudo (e isso é uma coisa boa!)

umit-bulut-qb-TC7-Zw-JB64-unsplash-1

Durante toda a minha vida, eu fiz planos. Tenho planos para a aposentadoria, planos para o jantar, planos para o que farei todos os dias e a que horas. Tenho metas para o meu desempenho no trabalho e para o crescimento pessoal e espiritual.

Sou persistente e cuidadoso ao tentar implementar meus planos. Muitas vezes, isso significa que confio inteiramente em mim, porque nada é mais frustrante do que quando alguém sai do roteiro e joga um balde de água fria nos meus planos. Se alguém cancelar uma reunião comigo ou deixar de responder a um e-mail em tempo hábil, fico irracionalmente frustrado.

Eu sou o tipo de criança que faz todo o trabalho para o grupo da escola. Ainda me sinto mais confortável mantendo o controle e cuidando da maioria das coisas sozinho.

Aqui está o benefício de estar no controle: eu me convenci de que isso é muito eficiente. A desvantagem: qualquer controle que eu acho que tenho é uma ilusão.

Na verdade, nunca estou no controle; eu só acho que sou. Há momentos em que isso se torna dolorosamente claro para mim.

A cada Quaresma, escolho um mau hábito que gostaria de mudar. Eu faço um plano. Prometo pensar mais, exercitar o autocontrole e melhorar. E em cada Quaresma, eu falho miseravelmente. Claro, posso fazer algum progresso, mas sempre deslizo para algum lugar e acabo de volta para onde comecei.

Na verdade, eu só tenho muito autocontrole. Mas, depois de um tempo, ele se esgota. É quando percebo que quase não tenho controle sobre meus próprios comportamentos. Eu ajo de maneiras que me horrorizam. Nem acredito que fui eu quem pensou, disse ou fez coisas terríveis. E parece que sou impotente para impedir isso.

Estou falando de uma condição espiritual interna. É minha própria inércia que se recusa a ceder um centímetro que seja. E essa batalha interna está sendo ilustrada ao nosso redor de uma maneira muito grande e horripilante. A cada dia, parece que a pandemia de coronavírus fica mais fora de controle. Meus planos de aposentadoria estão fora de controle. Minhas escolhas sobre quais restaurantes eu patrocinar estão fora de meu controle. Sou sacerdote e não posso nem celebrar uma Missa pública. Não posso nem começar a expressar o quão chateado e triste estou com isso, o quanto sinto falta dos meus paroquianos. Eu mudaria tudo isso, se pudesse. Mas eu não posso.

O que estou experimentando é uma série de emoções que surgem ao enfrentar minha súbita perda de controle.

O primeiro da lista é a frustração. Eu quero algo ou alguém para culpar. Quero poder tomar minhas próprias decisões sobre como e quando sair de casa e qual mão estou disposto a apertar. Quero ser o único a decidir quando as Missas e os estudos bíblicos serão cancelados. Essas escolhas, no entanto, não cabe a mim decidir agora. Sei que isso é o melhor, mas, no entanto, não posso abalar sentimentos de intensa frustração.

Segundo: estou estressado. Eu queria estar fazendo algo, qualquer coisa, mas não posso. Sinto-me confortável em fazer minha pequena parte – oferecendo Missas particulares, ouvindo confissões, garantindo que a Igreja seja destrancada todos os dias – mas eu gostaria de poder controlar toda a situação do começo ao fim.

Terceiro: meu desejo de controle está criando uma decepção. Minha Quaresma não está sendo como eu gostaria que fosse. E à medida que nos aproximamos da Semana Santa, estou preocupado com o fato de todos os meus planos cuidadosamente elaborados darem errado e a Páscoa ficar arruinada. Meus sentimentos de decepção mostram que meu desejo de controle levou-me a uma falta de flexibilidade. Quero que minha vida seja de certa maneira e, quando não é, tenho problemas para me ajustar.

Já sei há algum tempo que gosto de estar no comando e tenho trabalhado para melhorar isso aos poucos – principalmente deixando Deus fazer o trabalho por mim, em vez de desdobrar e me tornar ainda mais controlador. Ao longo do caminho, aprendi algumas lições subjacentes ao meu desejo de controle. Em parte, ele nasce da insegurança. Estou desesperado para que meu caminho seja o caminho certo, o único caminho. Estou muito inseguro para permitir que um plano alternativo seja sugerido, pois quero que o meu caminho seja o melhor. O desejo de controle também vem do medo. Tenho medo e ansiedade pelo desconhecido e, portanto, tento exercer minha influência para afastar o inesperado.

A cada Quaresma lembro que não estou no controle. Este ano, a lição está sendo levada para casa com um gosto ainda mais amargo. O que o amanhã trará? Eu não faço ideia. Todas as minhas reuniões são canceladas. Talvez eu fique doente. Talvez alguém que eu ame fique doente. Nenhum de nós está no controle.

Tudo o que realmente podemos controlar é como reagimos. Nada mais. Há benefícios em abrir mão do controle. Para mim, entender que nem toda situação precisa da minha opinião me permitiu encontrar mais aceitação das outras pessoas e situações. De repente, posso relaxar, me surpreender e descobrir bênçãos inesperadas. Um sentimento de confiança começa a se desenvolver em relação a outras pessoas, e aprendi a apreciá-las e até a admitir que suas ideias geralmente são melhores que as minhas.

A vida é muito melhor assim. Embora as circunstâncias atuais tenham revelado que ainda tenho um longo caminho a percorrer para deixar o controle, é muito claro para mim que quanto mais pudermos fazer isso, mais felizes seremos.

Via Aleteia

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.